Senado vai criar CPI da Crise Ambiental para analisar desmonte da política de meio ambiente do governo federal

A senadora Eliziane Gama (Cidadania/MA), coordenadora da Frente Ambientalista no Senado, protocolou quarta-feira, 23, pedido de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Crise Ambiental. Com o apoio de 27 senadores, o mínimo necessário para a abertura de uma CPI, o pedido está na Mesa, aguardando despacho do presidente da Casa.

No mesmo tom, o senador Plínio Valério (PSDB/AM) manifestou apoio à criação da CPI da Crise Ambiental. E cobrou do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM/AP), a instalação da CPI das ONGs na Amazônia, também já protocolada. “Eu queria lembrar que apresentei uma CPI para investigar a atuação das ONGs na Amazônia. O senhor chegou a ler no plenário e estava faltando só as indicações por parte dos líderes para compô-la. Sei que a pandemia atrapalha, mas só queria lembrar que existe na Mesa essa CPI que vai investigar essas ONGs que roubam em nome da Amazônia e a gente precisa separar o joio do trigo _ cobrou Plínio Valério.

Desmonte da governança ambiental

Em discurso no Plenário, Eliziane destacou que o objetivo da CPI será investigar o desmonte da governança ambiental no Poder Executivo, além das queimadas na Amazônia e no Pantanal. Para a senadora, o fato de o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) continuar praticando o que classificou como discurso “negacionista” sobre a crise, no país e no exterior, incentivou os senadores a apoiarem a abertura da CPI. “Culpar índios e caboclos pelos incêndios na Amazônia e no Pantanal, como fez Bolsonaro no discurso para a ONU, é um acinte à inteligência nacional e internacional, uma agressão aos fatos, ao não falar de madeireiros, grileiros e especuladores impatrióticos”, criticou a senadora.

Ela considera também que o Brasil não pode se entregar a uma lógica em que as políticas de preservação ambiental atrapalhariam o desenvolvimento. Lembrou que diversos setores do agronegócio atualmente defendem políticas preservacionistas, o que também foi lembrado pelos senadores Jayme Campos (DEM/MT), Otto Alencar (PSD/BA) e Kátia Abreu (PP/TO) em discursos no Plenário, na quarta. Eliziane também reclamou que, além das quedas nos recursos orçamentários para a preservação ambiental, o atual governo estaria executando apenas 0,4% das rubricas do setor.

Política econômica do governo prejudica os mais pobres, diz senador Paulo Paim (PT/RS)

O senador Paulo Paim (PT/RS) criticou a política econômica do governo, responsável, segundo ele, pelo aumento do desemprego, da miséria e da injustiça social. Na opinião de Paim, ao abandonar a reforma tributária e a política de valorização do salário mínimo, o governo prejudica sobretudo os mais pobres, além de aposentados e pensionistas.

Essa parcela da população, segundo ele, paga, proporcionalmente, mais tributos que os mais ricos e, ao mesmo tempo, não vê a sua renda ter algum tipo de ganho acima da inflação.

O resultado só poderia ser o descontentamento da população, disse Paim. O motivo, acrescentou, é a dificuldade encontrada para comprar produtos básicos, como arroz, farinha de trigo, açúcar e carnes suína, bovina e de aves. De acordo com estudo da Fundação Getúlio Vargas, esse grupo de produtos sofreu alta de 24%, citou ele.

“A alta de preços dos alimentos, somado ao aumento dos preços do gás, da luz, da água, está comprometendo o orçamento familiar. Além do mais, o aumento do preço dos combustíveis, especialmente do diesel, tem feito um estrago enorme na nossa economia […]. Não sei o que vai ser do trabalhador, se continuarmos assim. Vai trabalhar só para comer, mesmo”, disse.

Paim lembrou que a valorização da renda do trabalhador gera aumento do consumo e, consequentemente, da arrecadação de tributos e do emprego. Apesar disso, o governo, segundo ele, só pensa em privatização, num momento em que há no país 25 milhões de desempregados.

Fonte: Agência Senado

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *