Braga questiona presidente da Petrobras por processo de venda de refinarias que estão com altas margens de lucros

O senador Eduardo Braga (MDB) questionou o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, o fato de a estatal, voluntariamente, ter fechado um acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) visando à venda de refinarias. Braga quis saber do presidente qual “o sentido” de privatizar refinarias que estão no auge da sua capacidade de funcionamento e com margens de lucro substanciais.

Os senadores protestaram contra o processo de desinvestimento com venda de ativos que vem sendo conduzido pela Petrobras. O debate ocorreu na Comissão de Infraestrutura (CI) do Senado, durante audiência com o presidente da companhia nesta terça-feira, 13.A audiência foi requerida p

Também foi alvo de críticas a política de preços praticada pela empresa desde 2016, baseada no preço de paridade internacional (PPI), que teria elevado os custos ao setor produtivo e aos consumidores em geral.or Braga e o senador Jaques Wagner (PT/BA).

O senador amazonense fez coro com os senadores Jean Paul Prates (PT/RN) e  Jaques Wagner – representantes de dois estados grandes produtores de petróleo – Rio Grande do Norte e Bahia. Para Jean Paul, a atual diretriz da Petrobras “vai na contramão do mercado internacional”, pois as grandes empresas do setor buscam controlar a cadeia produtiva “do poço ao posto”.

Veja a postura do senador Eduardo Braga na audiência aqui.

E aqui, veja a resposta do presidente da Petrobras a Eduardo Braga.

Mostrando balanços da Petrobras desde 2015, o senador ainda reclamou que a Petrobras vem se desfazendo de ativos valiosos. O setor de refino, por exemplo, lucrou mais de R$ 30 bilhões entre 2015 e 2018. A BR Distribuidora, que teve seu controle acionário passado ao capital privado recentemente, também apresenta sempre lucros superiores a R$ 3 bilhões por ano. O senador Jean Paul citou também a venda da Nova Transportadora Sudeste (NTS) para a Brookfield em 2017, cujo contrato de transporte de gás feito com a própria Petrobras fará com que o que foi pago retorne ao comprador “em poucos anos”.

O senador potiguar disse que os contratos são do tipo ship or pay, em que a Petrobras obriga-se a pagar pela capacidade de transporte contratada, independentemente do volume transportado. É uma quantia certa, as receitas são 4,5 vezes superiores aos custos. A TAG tinha receitas em torno de R$ 5 bilhões para custos de R$ 1 bilhão. A NTS foi vendida por U$ 4,2 bilhões (cerca de R$ 12 bilhões na época), e desde então a Petrobras gasta R$ 1 bilhão por trimestre no aluguel de seus dutos. Ou seja, em menos de quatro anos a Petrobras repaga à Brookfield pela compra — alertou Jean Paul.

O baiano Jaques Wagner disse não ver sentido no fato de a companhia, na prática, ter assumido um crime perante o Cade sem qualquer conclusão investigativa que apontasse isso.

Fonte: Agência Senado.

Foto: Jane de Araújo/Agência Senado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *