Lúcio Carril (*) Um dia seremos milhões nas ruas, não para gritar palavras de ordem, mas para instaurar uma outra ordem. A ordem de que todos devem ser felizes, caminhar sob o sol e sentir os raios da vida entrarem com volúpia e euforia.

Lúcio Carril A posse de Boris Johnson no Reino Unido acende uma luz de perigo para o mundo. O fascismo ganha força e é uma ameaça para a paz mundial. Do lado daqui, um louco irresponsável e incompetente avança na destruição do estado democrático de direito. O mundo já viveuContinue Lendo

Querer a injustiça para um inimigo, adversário, desafeto ou simplesmente a um indivíduo que você não gosta chama-se vingança. Um sentimento mesquinho cujo resultado dilacera a alma, por mais que não se assuma isso. A união da injustiça, enquanto ação concreta, com o sentimento de vingança tem um efeito devastador.Continue Lendo

Minhas frustrações não me fizeram amargo, tampouco me colocaram em sofrimento com a vida. Gerou, sim, uma enorme angústia que serve de um equilíbrio freudiano, capaz de conter os impulsos do ID e frear a arrogância do meu superego. Mas minhas angústias também podem repousar no receio de liberdade sartreano,Continue Lendo

Os governos do PT foram marcados por uma composição política heterogênea, onde participavam partidos de esquerda, de centro e de centro-direita. Formou-se um bloco duvidoso, suspeito, que deu no que deu, com o PMDB capitaneando o golpe.

Tem dia que a gente acorda meio pra baixo, triste, pensando nas incertezas da vida. Geralmente isso se dá em razão da falta de grana. Na verdade, grana é um problema para as duas principais classes sociais: o rico se preocupa em ganhar mais e o pobre em ter algumContinue Lendo

Por: Lúcio Carril (*) Olhei para o lado e vi o amor. Ele tem olhos que brilham, cintilam como uma estrela. Quando te fitam, cada piscar te hipnotiza de tanta ternura.

Não precisaremos esperar quatro anos para ver o Brasil quebrado em todas suas áreas. O desmonte acelerado da política econômica que alçou o país à sexta economia do mundo começou a ser desmontada com o golpe de 2016 e ganha força violenta agora, num movimento de guerra contra a nação.Continue Lendo

Depois que escrevi sobre a insanidade do governo Bolsonaro em dar licença de matar aos fazendeiros, uma enxurrada (ou seria esgoto?) de comentários apareceram na minha publicação. Todos na linha: “e se fosse tua propriedade?”, “tem que matar invasor, mesmo”, “tem que defender o produtor”, e outras sandices do gênero.