Tratado como “um bom ladrão”, pela PF, deputado Delegado Pablo é alvo de operação

Da Redação

Eleito no esteio do bolsonarismo, com forte apelo anti-corrupção, o deputado federal Pablo Oliva, o Delegado Pablo (PSL/AM) foi alvo de operação da Polícia Federal (PF) na manhã desta sexta-feira, 15.

A operação, denominada Seronato, cumpre mandatos de busca e apreensão contra seis pessoas. Além do deputado, dois familiares dele, dois empresários e uma ex-sócia de uma das empresas envolvidas são alvo da investigação, de acordo com informações do site Amazonas Atual.

Seronato (termo do Padre Antonio Vieira, em “O Sermão do Bom Ladrão“:

De um, chamado Seronato, disse com discreta contraposição Sidônio Apolinar (…) Seronato está sempre ocupado em duas coisas: em castigar furtos, e em os fazer. Isto não era zelo de justiça, senão inveja. Queria tirar os ladrões do mundo, para roubar ele só.”

De acordo com a Comunicação Social da PF, no site da instituição, a operação Seronato inaugura “a fase ostensiva de dois inquéritos policiais instaurados em janeiro e maio de 2019 para investigar as possíveis práticas de crimes como corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro”.

A comunicação da PF disse que “as provas da materialidade delitiva e indícios de autoria, colhidos ao longo do primeiro Inquérito Policial, indicam que o servidor da Policial Federal (Delegado Pablo) teria se prevalecido do cargo ao fazer mau uso das informações obtidas durante a investigação que culminou com a Operação Udyat (deflagrada pela PF), no ano de 2012, para viabilizar, de forma indevida, o agenciamento da venda de uma empresa pertencente a pessoa de sua família (a mãe de Pablo, de acordo com o portal Amazonas Atual), pelo valor de R$ 500 mil”.

“Por meio da segunda investigação criminal, a Polícia Federal pretende esclarecer sobre as possíveis ocorrências de crimes de falsidade, favorecimento em razão do cargo e lavagem de dinheiro, em relação a fatos que envolvem a subcontratação, realizada por um consórcio de empresas que atuou na construção do Aeroporto Internacional de Manaus/AM (Eduardo Gomes), para que a empresa registrada, em nome do familiar (a mãe de Pablo) do servidor da Polícia Federal (Delegado Pablo), executasse o paisagismo do aeroporto, pelo valor de R$ 1.2 milhão de reais”, informa a comunicação da PF.

O nome da operação é uma alusão às suspeitas de que um dos investigados (Delegado Pablo) teria se prevalecido do cargo policial para cometer fatos que tinha por dever reprimir.

A reportagem do Amazonas no Congresso tentou contato com a assessoria do deputado, mas o telefone esteve fora da área de serviço durante todo o tempo da tentativa.

Fonte: Portal Amazonas Atual e site da Polícia Federal

Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

1 comentário

  1. Tem que prender esse bandido .É mais um ladrão do dinheiro do povo. E ainda tem que tomar de volta o dinheiro que ele roubou. E o número de anos que ele pegar de cadeia, deve ser triplicado, uma vez que esse bandido teve a cara de Pau de roubar, num momento em que acontece uma pandemia, que está ceifando tantas pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *