Petrobras é chamada na Câmara dos Deputados para explicar preços dos combustíveis

O Plenário da Câmara dos Deputados transforma-se em comissão geral nesta terça-feira, 14, às 9h, com a presença do presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, para debater a situação da operação das termelétricas, o preço dos combustíveis e outros assuntos relacionados à empresa.

Tudo caro: gasolina, diesel, gás de cozinha. O que a Petrobras tem a ver com isso? O plenário vira Comissão Geral para questionar o peso dos preços da empresa no bolso de todos nós.  A Petrobras deve ser lembrada: os brasileiros são seus acionistas“, disse o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP/AL), por meio de suas redes sociais.

A sessão plenária da Câmara pode ser transformada em comissão geral para debater assunto relevante, projeto de iniciativa popular ou para ouvir ministro de Estado. Nessa ocasião, diferentemente dos debates ocorridos durante a votação de matérias, além dos deputados, podem falar representantes da sociedade relacionados ao tema debatido.

O requerimento para a realização do debate foi apresentado pelo deputado Danilo Forte (PSDB/CE), que é membro da Comissão de Minas e Energia, e assinado por líderes e deputados de diversos partidos.

São membros suplentes da Comissão de Minas e Energia os deputados Silas Câmara (REPUBLICANOS) e Sidney Leite (PSD). Nenhum dos dois assina o requerimento.

Danilo Forte destaca que o Brasil vive atualmente uma grave crise hídrica, exatamente 20 anos após enfrentar um drástico racionamento de energia.

A crise desencadeada pela escassez de chuvas nas regiões onde estão localizados os reservatórios de hidrelétricas no começo do ano se agrava mais ainda com os atrasos em investimentos de geração e de transmissão“, afirma.

Ele destaca que o Brasil faz, nesse contexto, uso recorde de termelétricas movidas a gás e carvão mineral, fontes campeãs em poluição atmosférica.

Essa situação configura-se claramente um retrocesso“, acrescenta.

O economista Cloviomar Cararine, da subseção do Dieese na Federação Única dos Petroleiros (FUP), explicou para a revista Brasil Atual, que a atual política de preços tornou a Petrobras mais vulnerável a turbulências do mercado externo. Ele criticou a decisão de manter a empresa concentrada na exploração de petróleo bruto, reduzindo a sua capacidade de refino.

É um setor que deve ser olhado como estratégico, como uma questão de soberania dos países. Quem toma as decisões não são empresas, mas os países, como no caso da Rússia ou da Arábia Saudita. O Brasil abriu mão disso. Desde 2016, abriu mão do Estado tomar as decisões nesse setor”, afirmou Cararine.

Rito da sessão
– Abertura pelo presidente Arthur Lira
– Palavra ao presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, por dez minutos
– Palavra ao presidente da Comissão de Minas e Energia, deputado Edio Lopes (PL-RR), por dez minutos
– Palavra ao deputado Danilo Forte por dez minutos
– Deputados inscritos pelas lideranças, por cinco minutos cada um
– O presidente da Petrobras terá dez minutos de resposta a cada dez oradores
– Os líderes poderão falar por cinco minutos cada
– O líder partidário poderá autorizar que representante do partido agregue o tempo de líder (cinco minutos) ao tempo destinado à cada bancada.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Foto: Flavio Emanuel/Agência Petrobras em Brasil Atual

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *