Átila Lins e Silas Câmara faltam três reuniões na câmara em fevereiro

Só os deputados Átila Lins (PP) e Silas Câmara (PRB) não participaram de todas as sessões no plenário da Câmara dos Deputados no mês de fevereiro. Cada um faltou três dias, como se vê no quadro abaixo. Bosco Saraiva (SD), Capitão Alberto Neto (PRB), Delegado Pablo (PSL), José Ricardo (PT), Marcelo Ramos (PR) e Sidney Leite (PSD) participaram de todas as sessões. Nesse mês a Casa só realizou dez reuniões.

O Amazonas no Congresso fez o balanço das reuniões do segundo mês do ano buscando as informações no Portal da Câmara. Veja como foi a presença dos deputados nas sessões ocorridas no mês de fevereiro:
Dia 01 – todos presentes;
Dia 12 – todos presentes;
Dia 13 – todos presentes;
Dia 14 – todos presentes;
Dia 19 – todos presentes;
dia 20 – Átila Lins faltou;
dia 21 – Átila Lins faltou;
dia 25 – Átila Lins e Silas Câmara faltaram;
dia 26 – Silas Câmara faltou; e
dia 27 – Silas Câmara faltou.

No dia 12 os dois faltosos do mês marcaram presença, mas na hora da votação de requerimento que pedia retirada da pauta o Projeto de Lei 10431/2018 não estavam no Plenário. Não votaram. Dos seis presentes, cinco votaram NÃO e José Ricardo fez obstrução. Ou seja, não votou sim nem não.

Uma hora depois novo requerimento solicitando o adiamento discussão, todos os oito deputados do Amazonas estavam no sessão e todos votaram NÃO, com exceção a José Ricardo que manteve a obstrução.

O PL 10.431/18 foi votado e aprovado na Câmara nesta terça-feira, 12, e foi transformado na Lei Ordinária 13810/2019. A lei foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro dia 8 deste mês. O texto “dispõe sobre o cumprimento de sanções impostas por resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, incluída a indisponibilidade de ativos de pessoas naturais e jurídicas e de entidades, e a designação nacional de pessoas investigadas ou acusadas de terrorismo, de seu financiamento ou de atos a ele correlacionados; e revoga a Lei nº 13.170, de 16 de outubro de 2015.Dispõe sobre o cumprimento de sanções impostas por resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, incluída a indisponibilidade de ativos de pessoas naturais e jurídicas e de entidades, e a designação nacional de pessoas investigadas ou acusadas de terrorismo, de seu financiamento ou de atos a ele correlacionados; e revoga a Lei nº 13.170, de 16 de outubro de 2015”.

Nas próximas publicações, Amazonas no Congresso mostrará como votaram os deputados no mês de fevereiro.

Fonte: Portal da Câmara dos Deputados

Foto: Câmara dos Deputados

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *